terça-feira, 24 de janeiro de 2017

Debate sobre segurança pública na Acissp revela situação alarmante em Paraíso

Polícia Civil sucateada, presídio superlotado e crescimento da criminalidade foram alguns dos temas destacados

foto de Heloisa Rocha Aguieiras
A reunião promovida pela Associação Comercial, Industrial, Agropecuária e de Serviços de São Sebastião do Paraíso na manhã de quinta (19/1) para tratar sobre a segurança pública no município revelou dados alarmantes. Para um crescente número de ocorrências, principalmente crimes contra o patrimônio (furtos, roubos, assaltos), o que há é uma Polícia Civil sucateada, sem efetivo e viaturas. O presidente da Acissp, Aílton Rocha de Sillos, fez duras cobranças à PM e à Polícia Civil, e disse que não se surpreendeu com os dados e as situações apontadas tanto pela PC, quando pela PM.

“O nosso efetivo hoje chega à beira da falência. Nós não conseguimos controlar uma microrregião com esse efetivo. Temos uma delegacia regional com três viaturas, duas delas em péssimas condições. O Estado não ajuda”. Essa foi a afirmação do delegado de trânsito da 4ª Delegacia Regional de Polícia Civil, Vinícius Zamó, que na quinta-feira (19/1), em reunião realizada pela Associação Comercial Industrial Agropecuária e de Serviços de São Sebastião do Paraíso (Acissp) com o fim de discutir a situação da segurança pública no município, surpreendeu cerca de 70 presentes, entre eles empresários e representantes de diversos setores da sociedade. A fala foi uma reafirmação da situação hoje vivida pela delegacia que, segundo os próprios delegados que estiveram presentes, é precária.

De acordo com o delegado regional, Fernando Augusto Béttio, hoje o município conta com uma regional com estrutura muito reduzida, péssimas viaturas e uma demanda muito grande para as condições de trabalho da PC. Ele pontuou também que a criminalidade é crescente e a realidade de trabalho é ruim e que a situação poderá se agravar durante este ano. “Com a reforma da previdência, Paraíso irá perder cinco policiais em 2017; se hoje a situação é precária, no ano de 2017 irá piorar. Não há previsão para concurso público. Estamos trabalhando em condições ruins para a demanda que há no município. A dificuldade é muito grande”, destacou o delegado.

Os números apresentados pelo delegado Tiago Bordini, responsável pela delegacia de repressão ao tráfico, organização criminosa e crimes contra o patrimônio, foram igualmente preocupantes. Segundo o delegado, atualmente ele está trabalhando com 100 inquéritos envolvendo roubo, sendo necessário realizar um trabalho de filtragem para conseguir dar andamento às investigações, mas falta escrivão e investigadores, o que afeta a continuidades dos trabalhos. A regional atende atualmente, além de Paraíso, outros quatro municípios, entre eles Arceburgo, Monte Santo de Minas, Itamogi e São Tomás de Aquino, com um efetivo de 16 investigadores, cinco escrivães e quatro delegados.

“Nós mostramos a realidade que a Polícia Civil se encontra atualmente em Paraíso e da falta de investimento; quanto mais investimento tivermos na PC, melhor será o nosso trabalho assim como a prestação do serviço público. A responsabilidade é do Estado, é ele que nos fornece mão de obra e viatura”, comenta Béttio. O delegado também ressaltou o apoio que tem do município por meio de convênio com a prefeitura, que sede à delegacia funcionários e combustível. “Há também a Associação Comunitária de Segurança Pública (Acasp), que nos ajuda mensalmente para pequenos reparos na delegacia. É importante envolver a sociedade para que ela saiba qual é a realidade da Polícia Civil, da real situação, para encontrar mecanismos para nos ajudar.Com a atual crise que o pais vive, acredito que não haverá investimentos na Polícia Civil a curto prazo, até que o país saia dessa situação e só assim passe a ser investido mais em segurança pública”, completa.



POLÍCIA MILITAR



O comandante da 20ª Companhia de Polícia Militar Independente em São Sebastião do Paraíso, tenente-coronel Gilson de Oliveira Wenceslau, também esteve presente revelando números que evidenciaram um crescimento expressivo na criminalidade em Paraíso e região. O comandante destacou que uma das maiores preocupações nos anos de 2014 e 2015 foi com relação aos crimes de homicídio e que em 2016 os roubos foi uma das maiores preocupações, somente neste período tendo registrado 114 casos envolvendo assalto à mão armada.

Tenente-coronel Gilson voltou a afirmar que, apesar dos índices, o efetivo que atualmente compõe a 20ª Cia PM, é o suficiente para atender a demanda e que compensa a necessidade de um número maior com a participação e apoio da comunidade. Outro dado levantado na reunião foi com relação aos crimes envolvendo menores: somente em 2016 houve pelo menos 120 casos registrados. O comandante voltou a citar os programas sociais desenvolvidos pela PM, entre eles o Programa Educacional de Resistência às Drogas (Proerd) e o Garotos para a Paz, que já formou 90 alunos em três escolas em situação de risco no município.

“Nesse encontro mostramos, além do trabalho que é desempenhado pela Polícia Militar, que há também a oportunidade para se melhorar dentro de cada instituição e nível de governo, seja municipal, estadual e federal; o que temos que ter é a maturidade de sempre pautar as cobranças, mas que elas possam acontecer com a devida oportunidade. Nós temos nos esforçado para dar a resposta que a população precisa e trabalhando, como qualquer outra instituição, com uma lista de prioridades. Também priorizamos o trabalho preventivo e é nisto que temos apostado, buscando o envolvimento da sociedade e da comunidade para se tornar um ambiente cada vez mais difícil para a ação dos criminosos”, completou o comandante.



ACISSP



O presidente da Acissp, Aílton Rocha de Sillos, fez duras cobranças à PM e à Polícia Civil, e disse que não se surpreendeu com os dados e as situações apontadas tanto pela PC, quando pela PM. “Nós sabemos de tudo isto, mas de forma isolada. O que a Polícia Civil, Militar e os empresários colocaram já é de conhecimento de todos, mas de forma pulverizada. Cabe a Acissp agora juntar isso e ver o que podemos tirar de proveito. Nós podemos hoje trabalhar em comunidade, olhando a situação da segurança pública e da saúde no município como um todo. Nós já temos ideias, esperamos que em breve possamos dar retorno aos empresários, porque sem esse retorno eles vão embora. Se nos unirmos a chance de atingir nosso objetivo é maior”, completou.

Houve também manifestação do empresariado, entre eles José Márcio Colombaroli, que disse que o empresariado tem feito sua parte, gerando empregos, riqueza e pagando impostos. Ele também destacou o melhoramento da segurança pública em Guardinha e se disse preocupado com a situação da segurança pública como um todo e, principalmente, com o que foi exposto pelos órgãos de segurança pública.

“O poder público é que é o responsável pela saúde, esporte, educação e segurança, senão o empresariado ficará a todo o momento sendo solicitado para executar obras sociais, nós já o fazemos. Mas temos que ter paciência de ouvir essas situações vivenciadas tanto pelo Secretário Municipal de Segurança Pública, quando pela Policia Militar e Civil, esses profissionais estão sendo usurpados. Eu sou solidário a esse sofrimento, porque eles querem cumprir com a sua obrigação, e estão cumprindo, mas o Poder Público não está”, completa o empresário.



CÂMARA MUNICIPAL



O vereador presidente da Câmara Municipal, Marcelo Moraes (PSDB), disse na reunião que tem faltado uma organização da PM em atender as demandas no município, dizendo que falta “capacidade técnica e operacional em combater o crime”, mas que a tanto a PM quando a PC, apesar de sucateada, têm feito o seu trabalho. O vereador lembrou ainda as dificuldades no processo da educação dos jovens e o quanto isso tem contribuído para o crescimento da criminalidade e que a situação tende a piorar, mas enfatizou ações sociais que podem ser realizadas para o combate ao crime, entre elas ações envolvendo o fomento do esporte.

“Iremos cobrar efetivamente a quem deve ser cobrado. Não adianta dizer que o poder público tem sido cobrado, mas há retorno. Iremos realizar essas cobranças através dos deputados que tiveram votos aqui. O nosso desafio nessa nova Câmara é que isso deixe de ser verbalizado e se tornem ações concretas. Houve muitas audiências sobre o tema, mas nunca houve resposta ao cidadão. Desse modo a PM, PC, município e a comunidade têm agindo como pode e o poder público deixando de cumprir com suas responsabilidades. O nosso papel, enquanto Câmara, é justamente fazer essas cobranças”, disse.

O secretário municipal de Segurança Pública, Trânsito, Transporte e Defesa Civil, Miguel Félix, teve o trabalho desempenhado pela Guarda Municipal muito elogiado e destacou que há a preocupação do município em minimizar a sensação de insegurança da população. Ele foi muito apontado como privilegiado enquanto ao efetivo da GM, cerca de 115 profissionais, e destacou a preocupação do município em auxiliar os demais órgãos de segurança pública.

“Além da dificuldade que a polícia tem, há também a falta de incentivo e valorização do profissional. Hoje, os órgãos de segurança pública são muito cobrados, porém, às vezes deixam a desejar o respaldo para uma atuação efetiva. Hoje, para a realidade de São Sebastião do Paraíso, nós somos privilegiados, nós temos uma integração entre PM, PC e Guarda Municipal, mas há demandas que às vezes não nos compete estar atuando. No entanto, com o respaldo de uma lei federal que vai proporcionar aos GMs uma autonomia maior em sua atuação, nós estamos adequando nosso estatuto para que tão logo possamos atuar em conjunto com a Polícia Militar e Polícia Civil, mas até que isso aconteça estamos trabalhando preventivamente”, completou.



SUPERLOTAÇÃO NO PRESÍDIO



Outro ponto destacado na assembleia foi com relação a superlotação no presídio de São Sebastião do Paraíso, o tema foi abordado em matéria da edição 2068 do Jornal do Sudoeste. A defensora pública e coordenadora da Defensoria Pública em Paraíso, Jussara de Oliveira Lauria Torres, falou um pouco da situação vivenciada hoje pelo presídio, destacando a superlotação, hoje em torno de 330 presos para uma capacidade de 128. Jussara enfatizou que o único modo de reduzir esse número seria “acabando com os bandidos” por meio da educação.

“Apesar de termos uma unidade superlotada, o presídio tem feito tudo o que é possível para atender esses detentos. Eles têm acesso a alfabetização e estudos de informáticas, tudo isso feito com trabalho voluntário e com ajuda da sociedade. O presidio é organizado, dentro das suas possibilidades, dos seus limites”, completou.

FONTE:http://www.jornaldosudoeste.com.br/
Compartilhar:

0 comentários:

Postar um comentário

Anuncie aqui!

Anuncie aqui!
Para anunciar aqui faça contato com (35) 3715-7938

Poltrona 1 Turismo

Poltrona 1 Turismo
Venha viajar com a gente!

JEIZA MANICURE "UNHAS EM GEL"

JEIZA MANICURE "UNHAS EM GEL"
TELEFONES - (35) 3721-3625 e (35) 9 9943-0635 E-mail: jeizaxu@hotmail.com

JARDIM SECRETO OUTLET INFANTIL

JARDIM SECRETO OUTLET INFANTIL
JARDIM SECRETO OUTLET INFANTIL

WHATSAPP da Regional do Cscs Poços de Caldas

WHATSAPP da Regional do Cscs Poços de Caldas
Deixe sua mensagem

CENTRO SOCIAL DOS CABOS E SOLDADOS

Seguidores do Blog:

Total de visualizações de página

Postagem em destaque

MILITARES DE PERDÕES PRENDEM HOMEM QUE ESTAVA NA POSSE DE UMA PISTOLA

Perdões/MG, 21 de outubro de 2017, a Polícia Militar mediante denúncias anônimas através dos militares, Sgt Guerra, Sgt Claret e Cb Moura...

Arquivo do blog