quarta-feira, 8 de março de 2017

Tráfico internacional avança com uso de contêineres e Brasil pede ajuda à ONU

Acordo assinado entre Receita Federal e o Escritório das Nações Unidas sobre Drogas e Crime (UNODC) vai intensificar a fiscalização aduaneira e estabelecer ações preventivas de identificação das quadrilhas; Porto de Santos ganhará unidade de controle
Tráfico internacional avança com uso de contêineres e Brasil pede ajuda à ONU
Neste ano foram apreendidas 3 toneladas de drogas, a maior parte no Porto de Santos
BRASÍLIA - O aumento do tráfico de drogas, principalmente cocaína, por meio de contêineres de produtos exportados pelo Brasil, levou a Receita Federal a pedir ajuda da Organização das Nações Unidas (ONU) para integrar uma rede internacional de inteligência com o objetivo de apertar a fiscalização nessa área.
Acordo assinado pela Receita e pelo Escritório das Nações Unidas sobre Drogas e Crime (UNODC) vai intensificar a fiscalização aduaneira e estabelecer ações preventivas de identificação das quadrilhas. Apenas nos dois primeiros meses de 2017, a apreensão da cocaína já atingiu três toneladas - a maior parte no porto de Santos -, segundo dados da Receita. Em 2016, a apreensão foi seis vezes maior do que em 2015, atingindo 15,2 toneladas.
Com o acordo, será criada uma Unidade de Controle Portuário (PCU) no Porto de Santos para ajudar na identificação das quadrilhas e na apreensão das cargas ilícitas de tráfico de drogas e reagentes químicos, contrabando, pirataria e evasão fiscal. Os reagentes, chamados precursores, são usados na fabricação de drogas. Servidores da Receita vão atuar no PCU em conjunto com o escritório da ONU.
Por causa dos países vizinhos que possuem em seus territórios áreas produtoras de cocaína - Bolívia, Peru e Colômbia -, o Brasil se tornou uma das principais rotas de escoamento da droga, cujo destino é a Europa e os mercados asiáticos. A entrada do produto se dá, principalmente, pela rota do Rio Solimões. A droga chega pela região da tríplice fronteira, ultrapassa o Norte do País por meio dos rios, para chegar aos principais centros consumidores e, também, a regiões de escoamento, no caso os portos e aeroportos brasileiros.
No caso do aeroportos, o Brasil, por meio da Polícia Federal, tornou-se o oitavo país da América Latina e Caribe a aderir à rede Aircop. Financiada pela União Europeia, a Aircop é uma multiagência antitráfico, cujo objetivo é reforçar o treinamento de agentes da lei na detecção, na interdição e na investigação em aeroportos internacionais.
“A rede de inteligência traz mais informações para mapearmos as quadrilhas, a cadeia logística e o seu modus operandi”, disse o subsecretário de Aduanas da Receita, Ronaldo Medina. Segundo ele, com o convênio, auditores serão treinados para atuar com ajuda dessa rede de inteligência no combate do narcotráfico. A Polícia Federal atua em conjunto com a Receita.
Estratégia. A cocaína é colocada pelas quadrilhas nos contêineres depois que eles saem das fábricas. É no meio do caminho, antes de chegar ao porto, que a droga é acomodada, na maioria dos casos tendo o motorista do caminhão como cúmplice. A prática é chamada de “contaminação” das exportações, mas são poucos os casos em que os exportadores estão envolvidos.
Depois, no local de destino, a mercadoria é interceptada e o contêiner que funciona como a “mula” da droga é retirado. A área de inteligência da Receita já conta com uma rede de olheiros para ajudar na detecção da carga contaminada. A maior parte é de contêineres de cargas industrializadas, com caixas, ou produtos ensacados, como açúcar e café.
“O importador vai sentir (só depois) a falta da carga que foi subtraída para criar espaço dentro do contêiner”, disse Medina. Segundo ele, há um preocupação muito grande com o aumento da contaminação das mercadorias, mas o que o que interessa é conter a quadrilha.
Na região da América Latina e do Caribe, o programa da ONU opera em oito países e sua implementação tem como doadores o Canadá, os Estados Unidos e o Reino Unido. Com o acordo, o Brasil passa a fazer parte do programa do UNODC, que em breve será expandido para outros seis países: Argentina, Peru, El Salvador, Honduras, Cuba e Costa Rica.

Segundo o representante do Escritório do UNODC no Brasil, Rafael Franzini, o objetivo é traçar os perfis dos contêineres. A organização possui um sistema que permite aos usuários pesquisar e rastrear contêineres com destinos específicos e também fornece ao usuário informações detalhadas sobre o tipo de carga, roteamento, métodos de pagamento de frete e toda a informação necessária para identificar transportes de alto risco.
FONTE:http://brasil.estadao.com.br/noticias/geral,trafico-internacional-avanca-com-uso-de-conteineres-e-brasil-pede-ajuda-a-onu,70001691003
Compartilhar:

0 comentários:

Postar um comentário

Anuncie aqui!

Anuncie aqui!
Para anunciar aqui faça contato com (35) 3715-7938

Poltrona 1 Turismo

Poltrona 1 Turismo
Venha viajar com a gente!

JEIZA MANICURE "UNHAS EM GEL"

JEIZA MANICURE "UNHAS EM GEL"
TELEFONES - (35) 3721-3625 e (35) 9 9943-0635 E-mail: jeizaxu@hotmail.com

JARDIM SECRETO OUTLET INFANTIL

JARDIM SECRETO OUTLET INFANTIL
JARDIM SECRETO OUTLET INFANTIL

WHATSAPP da Regional do Cscs Poços de Caldas

WHATSAPP da Regional do Cscs Poços de Caldas
Deixe sua mensagem

CENTRO SOCIAL DOS CABOS E SOLDADOS

Seguidores do Blog:

Total de visualizações de página

Postagem em destaque

PM tira 206 policiais do administrativo para atuar nas ruas de BH

Imagem ilustrativa retirada da internet http://www.otempo.com.br/cidades/pm-tira-206-policiais-do-administrativo-para-atuar-nas-ruas-de-...

Arquivo do blog